Aids a espreita – mulheres abandonam o uso da camisinha

Quem esteve no carnaval do Rio de Janeiro e de várias outras cidades do Brasil deve ter notado vários cartazes e posters incentivando às mulheres a usarem a camisinha em seus relacionamentos. Tanta preocupação por parte do Ministério da Saúde tem justificativa: a maioria das mulheres brasileiras  não usa preservativo ao iniciar um novo relacionamento, mesmo que se trate apenas de sexo casual, ao contrário do que ocorria em 2002.

Esse dado preocupante foi dito por 51% das entrevistadas em uma pesquisa de opinião do Ibope, que entrevistou 18.884 pessoas de 12 a 64 anos. Com relação ao uso da camisinha (e outras relativas a sexo) foram consideradas apenas as respostas das pessoas maiores de 18 anos. A pesquisa foi feita entre agosto de 2009 e julho de 2010. O contraditório é que 55% dos homens, na mesma pesquisa, disseram utilizar a camisinha na mesma situação.

Em 2002, de acordo com pesquisa similar, 40% das mulheres não utilizam a camisinha.

A mulher brasileira está esquecendo a camisinha e dando chance ao recrudescimento da Aids no Brasil, que vinha diminuindo.

Nem a Mulher Maravilha está imune a Aids se não usar camisinha

O que está fazendo as mulheres a não utilizarem a camisinha em suas relações ?

Segundo especialistas o excesso de confiança nos parceiros e a ideia de que fazer sexo sem preservativo é uma prova de fidelidade são os principais motivos que têm levado a mulher a se descuidar da proteção.

Outro motivo apontado é a falsa crença que já existe cura para a Aids. Na verdade não existe, mas ela mata muito menos devido a novos medicamentos. No entanto, apenas em 2009 11,8 mil pessoas morreram no Brasil devido à Aids e suas complicações.

A Aids e a mulher

Embora no Brasil a Aids venha diminuindo, ela está aumentando entre as mulheres devido aos seguintes motivos:

  • A mulher tem dez vezes mais chance de contrair o vírus de um homem infectado do que um homem de ficar doente relacionando-se com uma mulher com Aids;
  • Para um homem se contaminar numa relação com uma mulher portadora do vírus é necessário que seu pênis esteja ferido. É muito mais fácil notar o ferimento no pênis – e assim se proteger com camisinha – do que uma lesão interna na mulher, que pode passar despercebida;
  • O esperma contaminado tem uma concentração de vírus várias vezes maior do que a encontrada na secreção vaginal de uma mulher soropositiva. Além disso, o tempo de permanência do pênis em contato com a secreção vaginal é muito menor do que a da mulher em contato com o esperma;
  • Em geral, os homens comandam a relação sexual, usando camisinha quando lhes interessa. Nos depoimentos aos grupos de apoio a portadores do HIV são comuns as histórias de maridos que tomavam como ofensa a sugestão de usar preservativo. É como se a mulher o estivesse acusando de ser infiel.
  • É grande o número de homens casados, aparentemente insuspeitos, que gostam de uma aventura homossexual de vez em quando. "Eu afirmaria que a maioria dos homens que infectaram suas mulheres foi contaminada numa relação homossexual", declara o infectologista David Uip, de São Paulo;
  • Muitos casais param de usar preservativos no momento em que consideram que o relacionamento se tornou sério ou quando passam a morar juntos. "Para eles, o preservativo é como se fosse uma formalidade", explica Dráuzio Varella. "É usado na época em que os parceiros se estão conhecendo, mas depois é abandonado". Só que a Aids pode ficar assintomática durante vários anos…
  • 71% das mulheres com Aids foram contaminadas por maridos ou namorados fixos.

E aí mulher vai deixar de usar camisinha e pegar Aids?

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*