Barriguinha: a abdominoplastia pode ajudar a combater

Pesadelo de muita mu­lher – e de homens também – a barriguinha é o alvo de inúmeros procedimentos que prometem melhorar o visual e liberar uso do biquíni sem medo. A abdominoplastia re­versa não é exatamente uma novidade no meio da estéti­ca. Criado em 1977, o proce­dimento voltou recentemente com a promessa de deixar uma cicatriz mais discreta nas mulheres que desejam se livrar da gordura abdominal e da flacidez da pele, espe­cialmente na parte média e superior do abdômen.

Diferente da abdomino­plastia tradicional, a versão reversa é indicada para pa­cientes com mais gordura na região do abdômen superior ou com projeção excessiva do estômago – chamado popularmente de estômago alto, e que não conseguem, da forma tradicional, melhora absoluta na estética dessa região especifica.

Na abdominoplastia rever­sa, a abordagem cirúrgica é feita na porção superior ab­dominal. A pele é retirada na parte superior do abdômen. A cicatriz fica escondida sob os seios na maioria dos casos.

— Gorduras e flacidez nessa região são comuns. Diversos fatores, como alimentação inadequada, gravidez, falta de exercícios, emagrecimento e a própria perda de elasticidade da pele podem alterar o ab­dômen — explica o cirurgião plástico Aristóteles Scipioni.

Agressão menor da abdominoplastia re­versa

O médico diz que o pro­cedimento é menos agressivo que a cirurgia tradicional e a cicatriz fica localizada no sulco sub-mamário – abaixo das mamas. No entanto, em alguns casos, quando a mu­lher tem mais gordura a ser retirada, a incisão e, logo, a cicatriz, ficam entre os seios.

Conforme Aristóteles, a cirurgia é de rápida execução e pode ser utilizada em asso­ciação com outros procedi­mentos, como, por exemplo, a lipoaspiração e a miniab­dominoplastia, bem como a mamoplastia redutora ou de aumento, com inclusão de próteses de mama pela mes­ma via de acesso.

— É feito um deslocamento da parte superficial do abdô­men superior a partir de uma incisão no sulco mamário. Com esse deslocamento, se traciona o retalho, além de ressecar os excessos. Assim, a cicatriz fica encoberta pelo sutiã ou pela parte superior do biquíni. A anestesia pode ser local, peridural ou geral, conforme avaliação individual.

A abdominoplastia não pode ser feita em todas as pessoas

Mas o resultado positivo da abdominoplastia não é consenso entre os médicos. Não é qualquer paciente que pode se submeter à ver­são reversa.

— A pessoa tem que ter pouca flacidez e pouca gor­dura. Senão, somada ao peso das mamas, a lei da gravi­dade atua. Porque o proce­dimento puxa a barriga para cima. As experiências que eu tive com a técnica não foram boas. Não costumo fazer — alerta o cirurgião plástico Paulo Mendes.

Mesmo sendo um pro­cedimento menos agressivo do que o tradicional, é ne­cessário repouso e o uso de malhas cirúrgicas especiais. Há ainda a necessidade de se manter afastado do sol por um tempo para proteger as cicatrizes cirúrgicas.

Exercícios também ajudam

Malhar na academia ou investir em uma atividade como o pilates também pode ajudar na luta contra a barri­guinha, seja ela mas baixa ou na região do estômago.

Com a atividade física é possível reduzir a gordura corpórea geral. O exercício vai ajudar a ganhar massa mus­cular, aumentar o metabo­lismo e com isso diminuir a gordura localizada. Também vai melhorar a circulação e, com isso, prevenir a retenção de líquidos, problema que em geral resulta em inchaço nessa região da barriga.

— De maneira geral, o exercício melhora o design do corpo como um todo — expli­ca a professora de educação física Ivana Henn.

Os exercícios abdominais também vão ajudar de uma forma geral fortalecendo a musculatura do abdômen e da coluna. Mas acumular ou não gordura nessa região vai depender muito de fatores genéticos. Assim como al­gumas mulheres acumulam gordura no quadril, ou nos braços, outras tendem a ter mais na barriga.

— Postura correta e hábitos alimentares saudáveis tam­bém ajudam bastante — ad­verte a professora.

Ivana fala também em outros benefícios, como a elevação da auto-estima com a atividade física.

— Quando ela melhora, a gente se acha mais bonita e esse sentimento contagia.

A bdominoplastia Reversa x tradicional

A necessidade de cada paciente é que vai determinar qual das duas intervenções será eleita

  • Abdominoplastia tradicional: O corte é feito na parte inferior do abdômen. É retirado o umbigo, que depois precisa ser reconstruído. Normalmente, é extraída mais gordura da parte inferior, a popular barriguinha. A cicatriz fica no mesmo lugar do corte da cesariana, embaixo da marca da calcinha;
  • Abdominoplastia reversa: O corte é feito na região inframamária, ficando a cicatriz no sulco sub-mamário (logo abaixo do seio). Em casos raros, quando a paciente tem mais gordura nessa região, o corte é feito entre as mamas. Na reversa, é retirada mais gordura da parte superior do abdômen, que chamamos de estômago alto. A cicatriz da abdominoplastia fica logo abaixo do seio (ou entre as mamas, em casos específicos de mais gordura retirada)

 


Fonte: Donna DC, 19/12/2009

One thought on “Barriguinha: a abdominoplastia pode ajudar a combater

  1. Olá
    Fica alguma cicatriz abaixo das mamas na
    abdominoplastia reversa? Grata

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*