Carboidratos e bom humor, uma relação bem próxima

O que você come está intimamente relacionado com o que você sente – e há muito de verdade no ditado popular “cara feia é fome”. Uma alimentação pobre em vitaminas que estimulam hormônios e neurotransmissores do humor e do bem-estar pode acabar com sua disposição.

Um nutriente que desempenha papel fundamental no bom humor é o carboidrato. Presente em pães, cereais e grãos, mantém estáveis as taxas de açúcar no sangue (glicemia) e evita sintomas de fraqueza e picos de fome. É por isso que pessoas submetidas a dietas radicais, que suprimem carboidratos, ficam irritadas, explica a nutricionista Márcia Daskal, no livro Assim ou Assado (CMS Editora). Embora o carboidrato leve fama de engordativo, 60% das calorias da alimentação diária devem ser provenientes desse nutriente, orienta o Ministério da Saúde.

Para evitar altos e baixos no índice glicêmico, o melhor é consumir carboidratos na versão integral, uma vez que as fibras fazem com que a absorção do nutriente pelo organismo seja mais lenta.

O contrário ocorre com a ingestão de carboidratos simples e refinados, como açúcar e pão brancos. Eles são absorvidos rapidamente, provocando grande oscilação na taxa de açúcar no sangue, explica a nutricionista Beatriz Botéquio de Moraes, coordenadora de orientação nutricional da badalada Fórmula Academia, de São Paulo. Nesse caso, as consequências são bem-estar momentâneo seguido por compulsão por mais comida e irritabilidade.

Como, nos dias de hoje, bom humor é até um recurso de convivência social, melhor prestar atenção ao que se põe no prato. Além dos carboidratos, outros nutrientes importantes precisam ser incluídos, como alimentos ricos em vitaminas do complexo B e aminoácidos. O trio de aminoácidos triptofano (presente em iogurte, leite e ovos), tirosina (encontrada em peixes, aves e carnes magras) e fenialanina (presente no abacate e no aspartame) é fundamental porque ativa a serotonina, neurotransmissor responsável pela sensação de bem-estar. Por outro lado, devem ser evitados excesso de álcool e bebidas à base de cola e cafeína.


Fonte: Donna DC, Nadia de Toni, 08/02/2010

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*