Câncer de prostata, uma doença silenciosa…

O câncer da próstata em sua fase inicial tem uma evolução silenciosa, pois muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma e quando apresentam, são semelhantes ao crescimento benigno da próstata. Quando a doença começa a avançar no organismo do homem, o sintoma característico deste estágio é a dor óssea, e sintomas urinários inexistentes antes e quando mais grave, pode apresentar até mesmo infecções e problemas renais.

Uma das formas para detecção desta patologia é o exame clínico de toque retal e se confirmada à existência do problema, o tratamento dependerá do estágio em que a mesma se encontra. Para doença localizada – cirurgia, radioterapia e até mesmo uma observação minuciosa em alguns casos. Se o câncer se encontrar em estágio avançado em um local específico, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal pode ser utilizada, apresentando bons resultados. A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida após discutir os riscos e benefícios do tratamento com o seu médico.

Para detectar de forma precoce um câncer são necessárias várias ações que tem como objetivo, o diagnóstico precoce da doença. O aumento observado nas taxas de incidência pode ser em partes justificado pela evolução dos tratamentos, bem como, pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida do brasileiro. Assim como em outros cânceres, a idade é um fator de risco importante, ganhando um significado especial no câncer da próstata, sendo que tanto a incidência como a mortalidade aumenta exponencialmente após a idade de 50 anos.

História familiar de pai ou irmão com câncer da próstata antes dos 60 anos de idade pode aumentar o risco de câncer em 3 a 10 vezes, em relação à população em geral, podendo refletir tanto fatores hereditários quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias. Está comprovado que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal, não só pode ajudar a diminuir o risco de câncer, como também, de outras doenças crônicas não transmissíveis.

Segundo o urologista Rafael Boeno todo homem a partir dos 45 anos deve realizar o toque retal e dosagem do PSA, principalmente, aqueles com história familiar de câncer de prostata (e de câncer de mama), independentemente de sintomas. “Em caso de toque anormal e ou PSA elevado, o paciente deverá ser submetido a uma ecografia transretal com biópsia prostática.

Os fragmentos obtidos serão levados ao exame anátomopatológico. Uma vez confirmado o diagnóstico, o tumor tem tratamento cirúrgico, radioterápico ou medicamentoso, com grande chance de cura, dependendo da precocidade do diagnóstico” afirma o urologista.


Fonte: jornaldimensao.com.br, 20/05/2010

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*