Câncer de próstata: será que o exame de toque retal já não é mais necessário ?

Muitas pessoas se acostumaram a ver na televisão campanhas do Ministério da Saúde incentivando que os homens com mais de 45 anos procurassem um urologista para realizar o exame de toque retal para detecção precoce de um possível câncer de próstata.

No entanto, a partir de 2009 essas campanhas deixaram de acontecer. O que aconteceu: falta de dinheiro para a campanha? Não é necessário mais fazer o exame de toque retal para a detecção do toque retal?

A resposta correta é: nenhum dos dois ! Na verdade o Instituto Nacional do Câncer do Ministério da Saúde (INCA) já não recomenda mais que o exame seja de rotina em pessoas que não apresentam sintomas e que não tenham casos na família.

Essa mudança de do INCA ocorreu porque estudos realizados no Canadá, nos Estados Unidos e na Europa provam que o rastreamento – a aplicação de exames de rotina à população geral – não reduz a mortalidade pela doença.

Agora o INCA recomenda que os exames periódicos devem ser feitos pelos homens maiores de 45 anos que tenham pai ou irmão com a doença e a todos os homens que apresentem sintomas do câncer de próstata (normalmente associados).

Estudos realizados por órgãos europeus como o The Prostate Cancer Risk Management Programme e o Health Technology Assessment são os mais críticos às políticas de rastreamento do câncer de próstata. De acordo com as pesquisas, o investimento nos exames não se justifica uma vez que não se constatou redução no número de mortes e, mesmo nos casos detectados precocemente, os riscos do tratamento e o declínio da qualidade de vida do paciente podem não compensar o tratamento. A Organização Mundial da Saúde tampouco recomenda o rastreamento na população geral, afirmando que faltam estudos que comprovem sua eficácia e ressaltando que não se pode desconsiderar as mortes causadas pelos tratamentos agressivos ao câncer.

 

E a posição dos médicos quanto ao exame de toque retal para detecção precoce do câncer de próstata

Pela Sociedade Brasileira de Urologia, o exame de toque retal ainda deve continuar a ser feito anualmente, juntamente com a análise dos níveis de PSA, uma vez por ano.

Para os homens que tem mais chances de desenvolver o câncer de próstata, o exames devem, ser feitos com mais frequência. Incluem-se nesse grupo os homens com histórico familiar de câncer de próstata, especialmente casos próximos como em irmãos, pais ou avôs, além de negros e obesos, grupos que estatisticamente apresentam mais a doença.


Fonte: terra.com.br

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*