Crack, uma “bomba” para os dependentes químicos

A dependência química de cocaína é um vício perverso e a medida em que o dependente vê seus recursos financeiros se esgotando, ele tende a passar para uma outra forma de consumo de cocaína, o crack, que é mais barata mas produz danos maiores e mais rápidos à saude.

O crack é obtido a partir da mistura da pasta-base de coca ou cocaína refinada com bicarbonato de sódio e água. É aquecido a mais de 100o. C e passa por um processo de decantação, em que as substâncias líquidas e sólidas são separadas. A porção sólida esfria e gera a pedra de crack, onde ficam concentrados os princípios ativos da cocaína.

Como o crack é feito de forma clandestina (criminosa) e em ambientes sem nenhuma condição de higiene, existe uma grande diferença no nível de pureza do crack. Além disso, muitas vezes os traficantes, para conseguir que ele renda mais, adicionam substâncias como cal, cimento, querosene, ácido sulfúrico, acetona, amônia e soda cáustica, todas tóxicas ao organismo.

Enquanto a cocaína em pó leva cerca 15 minutos para chegar ao cérebro e fazer efeito depois de aspirada, a chegada do crack ao cérebro é quase imediata: de 8 a 15 segundos, em média. O feito inclui sintomas como euforia, agitação, sensação de prazer, irritabilidade, alterações da percepção e do pensamento, assim como alterações cardiovasculares e motoras, como taquicardia e tremores.

Como o crack devasta a saúde do dependente químico – efeitos neurológicos

O crack pode prejudicar a inteligência dos dependentes químicos, alterando a capacidade de solução de problemas e processamento das informações.

Outros efeitos neurológicos do consumo do crack incluem prejuízos à memória, atenção e concentração.

Também é muito comum o desenvolvimento e agravamento da impulsividade, o que leva os indivíduos a fazerem escolhas mais imediatistas, sem avaliar as consequências para o futuro.

Além disso não é incomum o desenvolvimento de transtorno bipolar pelos dependentes químicos do crack. O uso do crack pode provocar transtorno bipolar, resultado do mecanismo de rápida e intensa euforia, logo após o uso da droga, que logo é substituída pela depressão, quando o usuário está em abstinência.

O efeito do uso crack no organismo dos dependentes químicos

Como o crack devasta a saúde do dependente químico – efeitos físicos

Os danos físicos que o crack provoca no organismo dos dependentes químicos começam nas vias aéreas e vão até o cérebro, depois estendendo-se para o resto do organismo.

Doenças pulmonares, cardíacas, problemas digestivos são alguns dos problemas que o crack causa no organismo dos dependentes químicos.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*