Derrame ou AVC – Primeiros Socorros

O derrame ou AVC é a  principal causa de invalidez em adultos; somente a doença cardiovascular e o câncer causam mais óbitos anualmente. Para cada década de vida após os 55 anos, seu risco de ter um derrame dobra.

É possível reduzir as chances de ter um derrame por meio do reconhecimento e da mudança de certos hábitos do estilo de vida. Se você corre alto risco, medicamentos como aspirina e um procedimento cirúrgico denominado endarterectomia de carótida podem evitar um grave derrame.

Se você tiver mesmo um derrame, o tratamento imediato pode minimizar o dano ao cérebro e a invalidez subsequente. Hoje, 70% das pessoas que têm um derrame se mantêm independentes; 10% se recuperam completamente.

O que é o derrame ou AVC

Derrame é um "ataque cerebral". Procure assistência médica imediata, assim como faria para um ataque cardíaco. Cada minuto faz diferença. Quanto mais tempo um derrame ficar sem tratamento, maior será o dano e a invalidez potenciais. O sucesso do tratamento pode depender da presteza do atendimento.

O cérebro tem 100 bilhões de células nervosas e trilhões de conexões nervosas. Embora represente-apenas 2% do peso corporal, ele utiliza aproximadamente 25% do oxigénio e dos outros nutrientes do corpo. Não podendo armazenar esses nutrientes, como os músculos o fazem, o cérebro requer um fluxo constante de sangue para continuar funcionado adequadamente.

Um derrame ou AVC ocorre quando esse suprimento de sangue é alterado e o tecido cerebral nada recebe

Um derrame ocorre quando esse suprimento de sangue é alterado e o tecido cerebral nada recebe. Em quatro minutos de privação dos nutrientes essenciais, as células cerebrais começam a morrer.

Há dois tipos principais de derrame ou AVC:

  • Isquêmico: Aproximadamente 80% dos derrames são causados por aterosclerose (aglomeração de depósitos de gordura contendo colesterol, as placas). O crescimento da placa faz com que a parte interna da artéria fique áspera. A superfície irregular pode provocar um fluxo sanguíneo turbulento em torno do aglomerado – como uma pedra numa corredeira – e desencadear o desenvolvimento de um coágulo.

    Sintomas temporários, e geralmente breves, oriundos da falta de suprimento sanguíneo descrevem um ataque isquêmico transitório (AIT). Durante um AIT, o organismo pode liberar enzimas que dissolvem o coágulo rapidamente e restabelecem o fluxo sanguíneo;

  • Hemorrágico. Este tipo de derrame ocorre quando um vaso sanguíneo do cérebro vasa ou se rompe. O sangue da hemorragia respinga nos tecidos cerebrais em volta, danificando-os. As células cerebrais localizadas além do vazamento ou ruptura ficam privadas de sangue e também danificadas.

    Uma causa de derrame hemorrágico é a presença de um aneurisma. Esta protuberância num ponto fraco de um vaso sanguíneo se desenvolve com o avanço da idade. Alguns aneurismas também podem se formar em consequência de uma predisposição genética. A causa mais comum de derrame hemorrágico é a pressão alta (hipertensão).

    Derrames hemorrágicos são menos comuns que os isquêmicos – mas mais frequentemente fatais. Aproximadamente 40 a 50% das pessoas que têm derrames hemorrágicos morrem, em comparação com uns 20% que morrem por derrame isquêmico. Os derrames que ocorrem em jovens adultos são tipicamente hemorrágicos.

 

Como diminuir o risco de um derrame ou AVC

Alguns fatores de risco para derrame não podem ser modificados. Outros prognósticos de derrame são administrados com medicações e mudanças de estilo de vida. Como alguns desses fatores de risco nem sempre causam sintomas, você pode não saber que os têm.
Os fatores de risco passíveis de controle são:

  • Pressão alta. Aproximadamente 40% dos derrames podem ser devido à pressão alta (hipertensão), definida como pressão sistólica superior a 140 mmHg e pressão diastólica superior a 90 mmHg (ver página 180).
  • Tabagismo. Fumantes têm 50% mais chances de ter um derrame que os não-fumantes.
  • Doença cardiovascular. Além da aterosclerose, problemas cardíacos que incluem insuficiência cardíaca congestiva, infarto prévio, doença valvar aguda ou substituição valvar (prótese) e fibrilação atrial (batimento cardíaco irregular e, frequentemente, rápido) o predispõem ao derrame.
  • AIT. Um AIT dura uns poucos minutos e provoca leves sintomas. Contudo, 15 a 20% das pessoas que têm derrame tiveram um ou mais ataques isquêmicos transitórios. Quanto mais frequentes os AITs, rnaior é a possibilidade de derrame.
  • Diabetes. O diabetes redobra seu risco de derrame.
  • Níveis indesejáveis de colesterol: Altos níveis de colesterol LDL, aumentam seu risco de aterosclerose. Em contraste, altos níveis do colesterol HDL são protetores porque podem evitar a formação de placa.

 

Quais os sinais de um derrame ou AVC ?

  • Se você reconhecer um ou mais destes sinais, chame o médico imediatamente. Ele pode estar indicando um possível derrame:
  • Fraqueza ou dormência repentina no rosto, braço ou perna em um lado do corpo.
  • Súbito obscurecimento, embaçarnento ou perda de visão, particularmente num dos olhos.
  • Perda da fala ou dificuldade de falar ou compreender o que está sendo dito.
  • Dor de cabeça forte e súbita, sem causa aparente.
  • Tontura inexplicada, instabilidade ou queda súbita, especialmente se acompanhada por qualquer dos outros sintomas.

2 thoughts on “Derrame ou AVC – Primeiros Socorros

  1. Pingback: AVC (DERRAME) – Saiba como realizar os primeiros Socorros | Saúde & Fisioterapia

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*