Dieta do vinagre, dieta do só, dieta da pilha, todas elas emagrecem. Afinal, morto(a) não engorda…

Há quem faça de tudo, mas de tudo mesmo para perder aqueles “quilinhos” extras.

A relações públicas Adriana Jacob, 37, por exemplo, adota a “dieta do só”. “Um dia como apenas banana, em outro consumo só melância”.

Assim como Adriana, “8% da população brasileira busca algum tipo de dieta”, revela Renata Azevedo Marcondes Santos, nutricionista especialista em obesidade e fisiologia do exercício.

Porém, a quantidade de pessoas que fazem loucuras para exterminar o peso é preocupante. Nos próximos parágrafos, vamos ver quais são as novas dietas para emagrecer mais perigosas da atualidade e descobre pessoas que chegam a consumir pilhas e algodão para inibir o apetite.

Com 1,67 metro e 67 quilos, Adriana Jacob chegou a pesar 72 quilos. “Entrei em desespero e passei a adotar dietas radicais, sem consultar especialistas”, lembra a relações públicas. A “Dieta do Só” foi uma delas. Adriana lembra que durante uma semana consumia, a cada dia, apenas um tipo de alimento. “Perdi dois quilos e meio, mas depois ganhei este peso rapidamente”, confessa.

Segundo a especialista Renata Marcondes, quando o indivíduo ingere somente um tipo de comida, ou um grupo de alimentos, o organismo tenta fazer com que a pessoa “caia em si” e retome a alimentação anterior. “Se comemos pouco ou muito, por exemplo, a região do cérebro chamada Hipotálamo age comandando a secreção ou inibição de hormônios, enzimas digestivas e outras substâncias que equilibram todos os sistemas fisiológicos. Dependendo da dieta, podemos então sofrer algumas panes”.

Dieta do só: um dia só comendo jiló, por exemplo A “dieta do Só” pode fazer emagrecer sim, mas em curto espaço de tempo. “Com a dieta prolongada, a própria pessoa começa a não aguentar mais, e doenças como gripes, resfriados, diabetes e hipertensão arterial podem pipocar”, destaca a nutricionista.

Além da “técnica” adotada por Adriana, há uma lista interminável de métodos que prometem emagrecer e podem até levar à morte. A busca incessante pela boa forma cai também nas graças de muitas atrizes. Diversas delas já afirmaram comer alimento preparado para bebês na tentativa de perder peso, e o pior: Susan Bowerman, nutricionista da Universidade Politécnica da Califórnia, nos Estados Unidos, admite que a ideia é boa. Para ela, o alimento não tem amidos adicionados, e pode ser uma excelente fonte de nutrição, porque são feitos de purês de vegetais, frutas e carne. Já Renata Marcondes condena estas refeições e indica que o ideal é a variedade alimentar, “tudo em pouca quantidade, é claro”.

Uma outra dieta, famosa em Hollywood, é a dos cookies. Neste caso, a pessoa come de quatro a sete biscoitos protéicos todos os dias, que somam aproximadamente 600 calorias. Para completar o menu, o indivíduo pode adicionar uma refeição leve de proteínas e vegetais, somando mais 300 calorias. Os cookies têm proteínas, aminoácidos, fibras, vitaminas e minerais, e são feitos para suprimir a fome e liberar açúcar no organismo. Apesar de se auto-afirmar saudável, especialistas alertam que a dieta pode ser seguida por alguns dias, mas não é saudável por grandes períodos.

Deve ser "uma delícia" tomar vinagre antes das refeições para emagrecer Outras celebridades criaram o hábito de tomar vinagre de maçã antes do almoço ou do jantar. Parece estranho, mas a tal dieta, que surgiu na década de 70, já foi adotada por Fergie, do grupo Black Eyed Peas. O perigo? Nutricionistas revelam que a dieta se apóia na teoria que o vinagre destrói a gordura do corpo como as da comida, mas isso é tudo mentira. Não há estudos que revelam que a bebida faz o indivíduo perder peso.

Métodos absurdos de emagrecimento não param por aqui. Há pessoas que investem na chamada “Dieta do ar”. Uma pesquisa realizada na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, apontou que indivíduos comem muito menos quando a comida tem mais ar. Os pesquisadores injetaram diferentes quantidades de O2 nos alimentos consumidos pelos participantes do estudo, e descobriram que, se os fabricantes de alimentos colocassem mais ar na comida, os consumidores poderiam perder peso. Detalhe: nutricionistas acreditam que esta ideia faz sentido, todavia pode reduzir a absorção de importantes nutrientes, encontrados em uma dieta mais balanceada.

Em busca do corpo perfeito, há ainda jovens que tentam consumir de tudo para saciar a fome. Recentemente caiu nas rodas de conversa que chá de pilha e até algodão podem levar ao emagrecimento. “Estes indivíduos precisam de uma atenção psiquiátrica, pois o consumo de objetos como estes pode intoxicar e até matar”, reforça a nutricionista Renata Marcondes.


Fonte: gastronomiaenegocios.uol.com.br, Humberto Baraldi, 20/05/2010

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*