Glaucoma, conhecendo a doença que afeta 60 milhoes de pessoas

O glaucoma afeta cerca de 60 milhões de pessoas no mundo e provoca cegueira nos dois olhos (bilateral) em 8,4 milhões, segundo o oftalmologista Alvio Isao Shiguematsui, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp)/Botucatu.

Aprensa então dez detalhes fundamentais sobre a doença, listados pelo médico:

1) O glaucoma é uma doença progressiva do nervo óptico que afeta a visão;

2) Apesar de o maior fator de risco ser pressão ocular elevada, nem sempre o paciente tem o problema. Normalmente, quando a pressão ocular é normal, a doença surge por conta da nutrição sanguínea deficiente do nervo óptico;

3) O glaucoma pode ser primário (sem causa específica) ou secundário (induzida por trauma, hemorragia, medicamento). Existe também o congênito, quando a pessoa nasce com ela;

4) A forma mais frequente é a crônica (glaucoma de ângulo aberto), geralmente assintomática. A aguda (glaucoma de ângulo estreito), por sua vez, pode levar à perda de visão mais rápida e causar dor, vermelhidão, náuseas, lacrimejamento, embaçamento da visão, além de deixar o olho duro;

5) Sabe-se que existe componente genético em grande parte dos casos primários de glaucoma. Alto grau de miopia parece tornar o nervo óptico mais sensível à pressão ocular. Quem tem elevado grau de hipermetropia apresenta comprimento de olho pequeno, o que aumentaria a chance de glaucoma de ângulo estreito. Os negros têm três vezes mais probabilidade de desenvolver glaucoma de ângulo aberto do que os brancos. O de ângulo estreito atinge mais orientais. As mulheres são mais propensas que os homens porque, de forma geral, vivem mais (prevalência aumenta com a idade) e têm a estrutura do olho mais compacta;

Glaucoma, se não tratado pode levar a cegueira

6) Quem não se enquadra no grupo de risco deve começar a fazer exames oftalmológicos específicos (exame de fundo de olho e medir pressão ocular) a partir dos 40 anos para evitar o glaucoma;

7) O tratamento do glaucoma geralmente começa com colírios prescritos pelo médico, que podem estacionar a patologia, nunca recuperar a visão que já foi perdida. O laser é uma alternativa complementar em alguns casos;

8) Quando o paciente lança mão da terapia máxima tolerável e, mesmo assim, a situação não é controlada, a aposta é a cirurgia. Consiste em desviar o líquido produzido pelo olho (humor aquoso) para um espaço que fica embaixo da conjuntiva. Os cuidados pós-operatórios são evitar carregar peso, fazer esforço físico excessivo e coçar o olho. O tempo que devem se estender varia de acordo com o tipo de procedimento.

9) A cirurgia, assim como os colírios e o uso de laser, não reverte o quadro. É uma tentativa de controle de pressão;

10) A falta de tratamento adequado pode levar à cegueira. Portanto, não deixe de ir ao oftalmologista regularmente e seguir à risca suas recomendações.


Fonte: saude.terra.com.br, Patrícia Zwipp, 22/05/2010

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*