Osteoporose, após fratura decorrente dela apenas 25% das pessoas voltam a ter uma vida normal

Uma das principais consequências da osteoporose são as fraturas que comprometem de forma significativa a qualidade de vida dos pacientes. Estudos científicos internacionais mostram que, após uma fratura, somente 25% dos pacientes retornarão às suas atividades normais, apenas 15% deles voltam a andar sem auxílio seis meses depois da fratura, e, no caso da fratura de quadril – uma das mais graves -, o risco de óbito é de até 24% no primeiro ano após a queda.

A osteoporose é uma doença mais incidente nas mulheres, mas, ao contrário do que se imagina, também atinge os homens. Um estudo epidemiológico baseado em dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostrou que, no Brasil, cerca de 3 milhões de pessoas têm osteoporose, com mais de 7 milhões de mulheres e de 3,7 milhões de homens apresentando baixa massa óssea – fator de risco importante para o desenvolvimento da doença.

Os dados mundiais apontam, ainda, que uma a cada quatro mulheres na pós-menopausa que já tiveram uma fratura vertebral terá nova fratura em um ano; e que a osteoporose também tem um impacto social e econômico. Em 2005, o total de incidência de fraturas em homens nos Estados Unidos foi de 595 mil, o que gerou um custo ao governo norte-americano da ordem de 4,1 bilhões de dólares. A perspectiva é que as despesas com fraturas aumentem consideravelmente, atingindo, em 2025, um total de 925 mil fraturas, representando uma despesa de 6,7 bilhões de dólares.

Novo tratamento para a Osteoporose

Está sendo lançada no mercado brasileiro uma nova opção de tratamento para a doença marcada pelo enfraquecimento ósseo. Aprovado pela FDA – Agência Americana que Regula Alimentos e Medicamentos – e já comercializado nos Estados Unidos, o medicamento Actonel (risedronato), da Sanofi-aventis, é uma opção terapêutica mensal indicada na redução do risco de todos os tipos de fraturas que possui ação comprovada a partir dos seis meses de tratamento, com proteção contra fraturas por até sete anos.

Segundo o laboratório, sua ação "ajuda a interromper a perda de massa óssea, aumentar a sua resistência e, principalmente, reduzir o risco de fraturas, principalmente quando elas já existem".


Fonte: Sanofi-Aventis

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*