Psicanálise e emgracimento

Psicanálise e emagrecimento

Como a psicanálise pode ajudar as pessoas que já tentaram várias dietas e não conseguem emagrecer? Conheça a opinião de Leonel Braga Neto, psicanalista, especialista em obesidade

Como o problema da perda de peso chega aos consultórios dos psicanalistas?

Sob diversas formas. A principal é como queixa e desgosto com o próprio corpo. No entanto, há diferentes maneiras de insatisfação: há a reclamação (básica) sobre a dificuldade de sustentar um projeto de mudanças (regimes, exercícios físicos, etc.) ou, ainda, uma relação de repugnância ou excesso com a alimentação (distúrbios como bulimia, anorexia e compulsão).

O mais comum é encontrarmos pessoas com dificuldade de fazer ou manter um regime que aproxime o corpo que elas têm daquele que desejam ter. Entre um e outro há o corpo que é possível ter e é essa forma física que precisa ser encontrada. Quanto mais elas almejam um corpo ideal, mais distante ficam de qualquer transformação efetiva.

O trabalho psíquico vai ser descobrir o que desejam mudar e por que. Daí, emagrecer terá o sentido e o tamanho verdadeiros e a tarefa será bem mais fácil do que se imagina.

O que fazer para manter uma dieta que leve à perda de peso?

É comum escutar dos indivíduos que fazer dieta é difícil e manter-se magro mais ainda. Falam disso como sendo uma exigência que vem de fora para dentro: é algo que devem, mas não querem fazer. Então, por que fazer? Se emagrecer faz sentido para a própria pessoa ela vai conseguir encontrar a forma de manter a restrição alimentar e vai saber porque está interrompendo esse processo em determinado momento. Se for para atender exigências externas, a tendência é o fracasso ou o sucesso provisório. Como dizem por aí: “A verdadeira dieta começa na cabeça”.

Em que momento a comida vira uma compulsão?

Quando a dieta está no lugar de outra coisa que a pessoa não pode enfrentar, e a desloca para o consumo de alimentos de maneira compulsiva. Nesses momentos, é melhor prestar atenção em vez de insistir na substituição esfarrapada.

[wpb-product-slider posts="12" title="Compre em nossa loja"]

Que tipo de pessoas podem se beneficiar da psicanálise para emagrecer?Todas aquelas para quem emagrecer virou um problema gerador de angústia, desde aquela sutil e silenciosa até a produtora de distúrbios alimentares.

Como a terapia pode auxiliar essas pessoas?

Separando o ‘joio do trigo’, ou seja, mapeando o que impede a realização de um projeto (emagrecer, por exemplo) e gera ansiedade. Isto é feito a partir de entrevistas preliminares onde a pessoa conta sua história. Ao fazer isso ela se surpreende e lembra de fatos e situações que não estavam acessíveis em sua memória e que têm relação direta com as dificuldades que enfrenta. A escuta atenta do analista localiza os nós amarrados daquela narrativa singular. Falar (e ser escutado) substitui, em alguns casos, o comer (excessivo).

Quanto tempo dura um trabalho desse tipo?

Depende. Para alguns, é suficiente localizar a dificuldade e o caminho por onde enfrentá-la. Para outros as entrevistas iniciais abrem portas para o autoconhecimento. Mas, geralmente, três ou quatro entrevistas definem qual direção seguir.

 


Fonte: simonetl.blogspot.com, 09/02/2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *