Quando o excesso de botox transforma mulheres em “monstros”…

Muitas mulheres têm verdadeira obsessão contra o envelhecimento e usam de todos os recurso para combatê-lo. Essa obsessão as leva a consultórios de dermatologistas e cirurgiões plásticos, em busca de alguma boca que viram na revista, na amiga, na televisão e no cinema. Elas tentam apagar qualquer vestígio de linhas de expressão. Na verdade, elas tentam se modificar, seja por vaidade, ou por achar que a vida ficará melhor após aquela intervenção.

“É válido uma mulher querer ficar mais bonita ou parecer mais jovem, mas isso se torna um distúrbio quando elas mudam a modificação, ou seja, querem mudar mais e mais, numa reação em cadeia, e trocam de médico quando ele não se submete a seus desejos”, disse o dermatologista Fábio Cuiabano.

Várias vezes ele se viu nessa situação desconfortável de se recusar a fazer a intervenção, tentar convencer a paciente célebre ou anônima de que ela vai ficar feia ou irreconhecível. “Não dá para fazer de novo, eu digo a elas. Mas com algumas o conselho não adianta. A loucura é tanta que vão a outro médico e a outro, até que consigam o preenchimento que, na mente delas, é necessário para deixá-las com uma boca mais sensual, a boca de seus sonhos”.

“Os lábios vão naturalmente minguando com a velhice. É o que chamamos de migração no rosto, devido à idade. O lábio superior fica um pouco mais fino após os 50 anos de idade, especialmente na mulher. E aí muitas começam com essas mudanças sucessivas. Querem uma boca carnuda, que às vezes não combina com suas feições. Na verdade, por causa da ditadura dos padrões de beleza e juventude, cada vez mais mulheres se incomodam com coisas que os outros nem percebem”, diz o dermatologista.

Embora o botox seja apontado como o maior “vilão” por quando aplicado em excesso deixar rostos semelhantes ao do “Pato Donald”, com bocas desproporcionais, essa fama é relativamente injusta, segundo Cuiabano.

Pamela Anderson, por que tanto botox ?

O botox é usado no contorno da boca, mas nunca injetado nos lábios – e, claro, contribui para dar criar o “bico” que não favorece em nada as mulheres. Por isso, o apelido normalmente é de “botocuda”. É pejorativo, sim, mas elas nem parecem se dar conta disso, a julgar pela quantidade de implantes faciais feitos hoje em dia.

As mulheres que recorrem a especialistas para acabar com o chamado “código de barras” (as ruguinhas verticais entre o lábio superior e o nariz) e o “bigode chinês” (as rugas entre o lábio inferior e o queixo) e que também querem ficar com a boca da Angelina Jolie dispõem hoje de várias técnicas. O objetivo sempre é dar volume, mudar o formato e o contorno da boca e da região em torno dos lábios. Os métodos são:

  • PMMA – “um plástico não degradável, derivado do petróleo. Trágico por ser uma substância estranha ao organismo e que não some nunca. É o método mais barato e por isso se tornou tão popular”
  • o ácido hialurônico – “substância naturalmente produzida pelas células, é injetado e desaparece em seis meses. Usado para preenchimento de rugas e sulcos, e, se a mulher não gostar do resultado, ao menos tem a garantia de que volta ao normal em um semestre. Precisa ser reaplicado caso a paciente goste”.
  • silicone – “catastrófico no rosto, porque migra de um lado para o outro. É injetado em microgotas. Só tira operando. Há mulheres que colocam só numa parte do lábio, depois ficam insatisfeitas, botam na outra, e assim vão se deformando até não se reconhecerem mais, até se tornarem uma outra pessoa”.
  • botox – “paralisa o músculo. É o único dos 4 procedimentos que não é injetado nos lábios, mas somente em torno. Claro que muda a expressão, porque muda o sorriso. Se não for aplicado em mínimas quantidades de maneira muito rigorosa, o botox provoca deformidades e situações constrangedoras, do tipo: a mulher bebe um cafezinho e escorre pelo canto da boca porque o músculo está paralisado e ela nao o controla mais. Há mulheres que recorreram ao chamado ‘global botox’, ou seja, botox integral, e hoje só conseguem mexer os cílios”.

Algumas mulheres com cara de “pata” devem isso não a preenchimentos mas a plásticas. Segundo Dr Cuiabano, essa parte acima do lábio fica proeminente também quando se faz uma cirurgia, uma incisão na linha do lábio superior, e se desce a musculatura dessa região da face para prender à boca. Associar a loucura das mulheres à complacência de médicos acaba produzindo o que vemos por aí aos montes e não entendemos. Os exageros tornam as mulheres todas iguais e sem expressão – feias, a meu ver.

A coisa chegou a um ponto que vários produtores de estúdios de Hollywood começaram a recusar atrizes que se excederam em cirurgias plásticas, porque querem pessoas mais naturais. “Eu acho que todo mundo se parece com uma drag queen ou uma stripper”, afirmou Marcia Shulman, produtora de elenco da Fox.

Nos EUA, o exemplo mais recente de atriz que se transformou por meio de cirurgias plásticas foi Heidi Montag, 23, que em janeiro fez dez procedimentos em apenas um dia.

Heidi Montag, 10 cirurgias plásticas em um dia e, vamos ser sinceros, nem precisava...


Fonte: colunas.epoca.globo.com, Ruth de Aquino, 27/07/2010, adaptado

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*