As localizações patológicas e suas consequências

Já insistimos, mais acima, sobre a frequência das lesões osteopáticas que afetam principalmente a coluna vertebral em diferentes pontos, aquelas devido às quais, alias, os doentes procuram mais amiúde o médico e um tratamento adequado. Na grande maioria dos casos clínicos, cujas diferentes manifestações vamos ver adiante, encontramo-nos em presença do que os osteopatas chamam de subluxação vertebral. Esse termo designa pequenos deslocamentos, às vezes invisíveis nas radiografias, que podem ocorrer acidentalmente. Em suma, a lesão osteopática caracteriza-se pela fixação de uma vértebra numa posição que ela só deveria ocupar em limites extremos do movimento fisiológico”.

Para compreender sua sutileza, o diagnóstico dessas lesões só pode ser feito por um especialista, acostumado pela experiência e pelo aprendizado habitual do sentido muscular a determinar as localizações vertebrais graças à simples apalpação digital.

As lesões cervicais

Qualquer choque lateral que atinja a cabeça tende a produzir uma rotação desta sobre a vértebra atlas. Do mesmo modo, na ocasião de uma forte queda sentada ou de pé, e se a cabeça, já se encontrar em rotação , constataremos um deslocamento das primeiras vértebras cervicais.

Sem entrarmos em detalhes complexos demais, podemos dizer que as lesões osteopáticas dessa parte da coluna vertebral podem ser consequências de rotações forçadas, de escorregões, ou ainda de movimentos de flexão ou de distensão forçados. Elas serão mais marcantes à medida que o choque que as produziu tiver sido mais brusco e violento. Essas modificações da estatura agravam-se com deslocamentos dos discos intervertebrais, deslocamentos que, aliás, podem ocorrer por conta própria.

Esse tipo de lesão manifesta-se através de um torcicolo, de fortes nevralgias recidivas que se irradiam na cabeça, nos ombros e nos braços, ou, ainda, através de distúrbios da meninge e de vertigens.

ilustração mostrando uma lesão cervical
Uma lesão cervical pode causar dores fortíssimas

As lesões torácicas

Ocorrendo após um choque ou um traumatismo brutal e ocasionadas por movimentos intempestivos de flexão, distensão, inclinação ou rotação do tórax, essas lesões afetam tanto as vértebras dorsais quanto as costelas. Manifestam-se através de dores localizadas nos espaços intercostais ou atrás do esterno, que também podem agravar- se com distúrbios dispépticos e insuficiência respiratória.

As lesões lombares

Como no caso precedente, as lesões osteopáticas que afetam as vértebras lombares, com ou sem deslocamento dos discos, podem ter como causa um exagera dos movimentos de flexão, distensão ou rotação.

Segue-se o aparecimento de lumbago, que pode até surgir após um esforço mínimo, se não de uma ciática refratária aos outros tratamentos.

As lesões sacro-ilíacas

A articulação que liga o sacra ao osso ilíaco, embora sustentada por fortes ligamentos, pode ser considerada como possível de deslocar-se sob o efeito de um violento choque traumático que ocorra nesse ponta. A cada deslocamento do sacro, tanto para frente como para trás, corresponderá um deslocamento do ilíaco no sentido oposto. Esse movimento, por ser mínimo, nem sempre pode ser detectado pelos exames radiográficos. Apesar disso, não deixa de provocar fortes dores na cintura e na região lombar baixa, mais ainda porque o peso do corpo, transmitido pela coluna vertebral à parte superior do sacro sobre a qual ela repousa, comunica-se com os ligamentos sacro-ilíacos e coma cabeça do fêmur.

Esses exemplos permitem prever a importância das manobras de redução desses deslocamentos, levando-se em conta o número de manifestações patológicas relacionadas a esse tipo de lesões vertebrais.

Voltar ao índice de Vertebroterapia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *