Os Preparados Farmacêuticos ou Aromaterapia

Quando é impossível conseguir plantas frescas ou quando não se tem mais certeza de que a planta seca ainda contenha princípios ativos em quantidade suficiente, o melhor é recorrer aos preparados farmacêuticos.

Alcoolato: É o resultado da destilação de álcool a 90°C, 80°C ou 60°C com plantas frescas ou secas.

Alcoolatura: É um preparado obtido através da maceração de plantas frescas em álcool. A alcoolatura nem sempre é estável, pois a planta pode seguir sua fermentação autodestrutiva. Existem, contudo, alcoolaturas estabilizadas.

Tintura: Para se obtiver uma tintura, utiliza-se a ação solvente do álcool sobre plantas secas. Deve ser conservada longe do ar e da luz. Por isso, deve-se vedar bem o frasco.

Extrato: Obtém-se um extrato deixando-se evaporar uma solução. Ele pode ser fluido – nesse caso, é liquida-, mole – contém, então, 20% de liquídoa-, seco – quando se trata de um pó -, ou sólido e apresentado sob a forma de pílulas.

Xarope: Esse preparado semilíquido, composta de duas terços de açúcar, contém água e extrato ou tintura de plantas. O açúcar age aqui como um conservante natural.

Vinho Medicinal: É uma poção à base de vinho tinto ou branco ou de vinho licoroso, tipo porto, no qual se colocam plantas para macerar,

[wpb-product-slider posts="12" title="Compre em nossa loja"]

Vinagre Medicinal: Num vinagre de vinho branco a 6 °C põem-se plantas para macerar a frio. O resultado é menos ativo do que o do vinho medicinal.

Essências Aromáticas: São produtos oleosos, voláteis e perfumados que se extraem dos vegetais. As essências possuem propriedades antissépticas, transmitidas por seus componentes (fenóis, álcoois). A concentração dos produtos ativos que fazem parte de uma essência é constante e definida, o que simplifica muito sua utilização. Esta, aliás, tanto pode ser feita por via interna como por via externa.

  • Por via interna: uma vez que suas propriedades são muito poderosas, elas são, em geral, utilizadas diluídas ou sob a forma de gotas de fraca posologia.
  • Por via externa: As essências aromáticas podem ser empregadas puras, em emulsão (bálsamos e pomadas), em solução à base de álcool, sob a forma de linimentos, de banhos locais ou gerais (ver balneoterapia) ou em inalação. Elas possuem um bom poder de penetração.

Fazer pedidos de produtos da Avon;

Fazer pedidos de produtos da Natura;

Fazer pedidos de produtos do O Boticário;

Visitar a loja do Natural & Bela

 

Banhos: Os banhos de plantas agem por inalação dos vapores e por penetração dos princípios ativos na pele e, depois, no sangue.

Ha duas maneiras de incorporar as plantas aos banhos: 1) a infusão gigante: utilizam-se aproximadamente 500 g de vegetais, para os adultos, e 250 g, para as crianças; derrama-se sobre os mesmos de 3 a 4 l de água fervente, deixando-os infundir de 10 a 15 minutos em recipiente fechado antes de incorpora-los à água do banho final; 2) as essências aromáticas: muito mais concentradas, que necessitam apenas de 1 colher de sopa do produto para um grande banho e que também podem ser utilizadas em fricção sobre a pele antes do banho de chuveiro.

Cataplasmas: Trata-se de pastas espessas e úmidas a serem aplicadas sobre uma parte do corpo. Seus componentes são muito variáveis. Elas produzem um afluxo local de sangue, descongestionando as zonas inflamadas ou purulentas. Aplicadas quentes, as cataplasmas amolecem a pele, dilatando os poros que absorvem os princípios ativos incorporados.

Defumação: É uma espécie de inalação reservada aos compartimentas da casa. Realiza-se o saneamento do ar ambiente graças às propriedades antissépticas das essências ou das tinturas. Basta esquentar um recipiente esmaltado cheio de água ao qual se acrescenta a essência ou a tintura desejada, e mantê-lo próximo a uma fonte de calor.

Gargarejo: O gargarejo permite uma boa irrigação das mucosas da boca e da garganta. Utilizam-se para isso infusões ou decocções: águas fervidas, mornas ou águas minerais às quais se adicionam substancias como o mel, o vinagre, o limão, a água oxigenada, o bicarbonato de sódio ou o sal marinho.

Óleo: É relativamente simples fabricar em casa óleos medicinais e culinários. Basta deixar macerar as plantas. Em um pote, de preferência de vidro, misturam-se em proporções iguais plantas secas ou raízes moídas e óleo. Deixa-se repousar durante três semanas em temperatura amena, mexendo de vez em quando. Depois se deixa decantar e coloca-se num frasco.

Utiliza-se o óleo de camomila para as fricções contra dor, o óleo de milfurada contra as queimaduras e os óleos de tomilho, de alecrim ou de louro para preparar deliciosas carnes grelhadas.

Unguento: Esta mistura de substâncias gordurosas e plantas são reservadas ao usa externo, em aplicação ou fricção.

Voltar ao índice de Fitoterapia

Deixe uma resposta